fbpx

Degustação hidromel – Old Pony

Não é só de cerveja que essa colunista vive 🙂 Degustei o portfólio de hidromel da Old Pony e me apaixonei pela bebida 😉

Você sabe o que é hidromel? Já provou algum rótulo?
Confesso que não conhecia até o convite para a degustação, fui sem expectativas, sem saber o que esperar e foi uma surpresa tão boa, tão surpreendente que eu comecei a me interessar mais pela bebida e sua história.

O que é hidromel?
Hidromel é uma bebida alcoólica fermentada à base de mel e água, considerada como a bebida mais antiga do mundo.

História:
A primeira menção histórica ao hidromel foi feita num dos hinos do Rigveda, o documento mais antigo da literatura hindu, escrito por volta de 1700-1100 a.C. Aristóteles na Metereologica e Plínio, o Velho na sua História Natural relatam fatos relacionados com esta bebida.

Constata-se que várias civilizações conheciam e apreciavam este néctar, os gregos, os romanos, e os maias. Portanto, os maiores apreciadores de hidromel eram os povos nórdicos e eslavos, sendo que para a mitologia dos primeiros, esta bebida aparecia como a favorita dos deuses. Outras culturas antigas consumidoras desta bebida foram os celtas, saxões e vikings.

Durante a Idade Média, o hidromel apresentou um forte declínio, não só pelas elevadas taxas que eram aplicadas aos produtos alcoólicos como também por causa da Lei da Pureza alemã, que tornava esta bebida “fora da lei”. A produção de hidromel foi, por isso, mantida essencialmente na Europa do Norte e países Bálticos.

Produção:
As matérias-primas utilizadas para a produção do hidromel são: a água, o mel e a levedura (neste caso, a bem conhecida Saccharomyces Cerevisiae, também usada na elaboração da cerveja). Obtém-se o produto final através da transformação dos açúcares do mel em álcool.

Ao extrair-se o mel dos favos, obtêm um ingrediente com um teor de humildade de 20%. Com estes valores de água, dificilmente ocorre uma fermentação, é necessário aumentar ligeiramente a humildade para que os fermentos que estão presentes no ar, no pólen e no próprio mel, possam começar a  multiplicar-se e a transformarem os açúcares do mel em álcool.

A fermentação espontânea é quase impossível, sendo aí que entram os seres microscópicos chamados Saccharomyces. Estes, necessitam de oxigênio para sobreviver. Inicialmente, retiram o ar que se encontra dissolvido na mistura de mel com água, quando este termina, resistem à sufocação retirando o oxigênio das moléculas de açúcar, o que transforma este em gás carbônico e álcool.

Para a produção do hidromel, utiliza-se uma porcentagem de 80% de água e 20% de mel. Para além destes e das já referidas leveduras, é essencial adicionar sumos de frutas ou sais minerais ao mosto para que se processe uma boa fermentação. Esta necessidade resulta do fato do mel ser pobre em proteínas e estas estarem diretamente relacionadas com a quantidade de sais minerais nos alimentos pelo que, desta forma, o mel não é capaz de suprir todos os sais minerais que os fermentos necessitam para o seu desenvolvimento.

A conjugação de todos estes ingredientes e de diversos factores permitem a criação, ou não, de um bom hidromel. A produção desta bebida pode demorar até 80 dias.

Tipos e Variedades de hidromel:

  • Braggot – também chamado de bracket ou brackett, era originalmente produzido com mel e lúpulo, sendo que posteriormente se passou a produzir recorrendo a mel e malte (com ou sem a adição de lúpulo).
  • Black Mead – nome habitualmente utilizado para designar a mistura de mel com frutos silvestres, sejam eles mirtilos ou amoras pretas.
  • Capsicumel – hidromel aromatizado com pimentas.
  • Cyser – a meio caminho entre a sidra e o hidromel, resulta da fermentação conjunta de mel com suco de maçã.
  • Czwórniak – hidromel de origem polaca, feito na proporção de 3 unidades de água para 1 de mel.
  • Dwójniak – outro hidromel polaco, sendo que neste caso as proporções de mel e de água são idênticas.
  • Great Mead – hidromel de grande qualidade e produzido com o intuito de ser guardado para envelhecer.
  • Hippocras – mistura de mel, uvas e especiarias.
  • Melomel – o melomel resulta da junção de mel com uma determinada fruta. As possibilidades são imensas mas as mais comuns são à base de maçã, frutos silvestres ou morango.
  • Metheglin – a uma base de hidromel, adicionam-se ervas ou especiarias, sendo que as mais habituais são o gengibre, chá, casca de laranja, baunilha e canela.
  • Morat – mel e amoras.
  • Mulsum – neste caso não estamos perante um produto que se possa verdadeiramente considerar hidromel, já que resulta da mistura não fermentada entre mel e vinho.
  • Omphacomel – junção de mel com sumo de uvas ainda verdes.
  • Oxymel – uma estranha e antiga mistura entre mel e vinagre de vinho.
  • Pyment – deliciosa combinação entre mel e uvas, pretas ou brancas.
  • Póltorak – hidromel de origem polaca, no qual se usam duas medidas de mel para uma de água.
  • Rhodomel – mistura de mel, água e um destilado de pétalas de rosa.
  • Sack Mead – hidromel extra-forte, produzido com copiosas quantidades de mel, o que o torna extremamente doce.
  • Short Mead – também chamada de “Quick Mead”, este tipo de hidromel é elaborado para que envelheça depressa, para que o seu consumo possa se fazer num curto espaço de tempo. A técnica de produção utilizada faz com que seja uma bebida algo efervescente e com um sabor próximo ao da sidra.
  • Show Mead – expressão que designa o hidromel ao qual não foi acrescentado nada: nem frutas, especiarias ou quaisquer outros ingredientes, para além da água, mel e levedura.
  • Tej – bebida etíope que utiliza fermentos selvagens e cuja receita varia fortemente de família para família. Em muitos casos aproxima-se claramente do Braggot.
  • Trójniak – hidromel de origem polaca, no qual se usam duas unidades de água para uma de mel.
  • Weirdomel – mel misturado com ingredientes pouco comuns.

Curiosidades sobre o hidromel:

  • O termo “Lua de Mel” vem do hábito de se tomar hidromel.
    Há registro de vários povos onde o pai da noiva oferecia ao casal logo depois do matrimônio, um lote de hidromel para ser consumido nos 30 dias (um ciclo lunar completo) imediatos ao casamento, quando os noivos comemoravam, só entre eles, a união matrimonial. Eles acreditavam que isso ajudaria na fertilidade do casal para a geração do primeiro filho.
  • É uma bebida ligada a sabedoria. Nos antigos contos de algumas mitologias é dito que durante a Idade de Ouro da Grécia Antiga e na Escandinávia e demais países nórdicos, o hidromel era considerado a bebida preferida e capaz de trazer todas as respostas aos questionamentos realizados, ganhando também com isso a alcunha de Néctar dos Deuses.
  • O hidromel artesanal está em ascensão. O hidromel é a categoria de bebidas que mais cresce nos Estados Unidos desde 2013, superando inclusive o crescimento das cervejas artesanais. Por lá, já existem mais de 500 hidromelarias legalizadas e outras 200 aguardam sua licença de operação. Aqui no Brasil, o mercado já dá indícios de interesse e de procura pela bebida o que tem movimentado e aumentado a busca pela profissionalização do setor.
  • A cultura geek trouxe evidência para a bebida.
    Encabeçada principalmente pelos Millenials e por jogos de RPG tais como Dungeons and Dragons, Skyrim e The Witcher, da literatura fantástica e filmes como O Senhor dos Anéis, Beowulf e Harry Potter e de seriados como Vikings e, principalmente, de Game of Thrones, facilitou a divulgação e renovou o interesse pela bebida. Isso possibilitou que a bebida entrasse no dia a dia das pessoas, facilitando o seu acesso e saindo dos limites das feiras renascentistas.

Old Pony
Site: oldpony.com.br
Facebook: oldpony.hidromel
Instagram: oldpony

Fonte: cervejasdomundo.com/Hidromel
Foto destaque: Jheine Rosa

Jheine Rosa

Publicitária, produtora de eventos, modelo plus size, entusiasta cervejeira, apreciadora de bons drinks, avessa à cebola e comidas de texturas questionáveis.

Deixe o seu comentário

%d blogueiros gostam disto: